Posts Tagged ‘louis vuitton’

Look – Parrilla San Paolo

5 de novembro de 2012

Look que usei em um dos jantares do final de semana. Este usei para ir ao Parrilla San Paolo, um dos melhores restaurantes argentinos e super conceituado. Delicioso! Tem dança de tango e tudo mais.

Obs.1: Clicando sobre as fotos, elas ficam no tamanho ideal e dá para ver com melhor resolução ;)

Obs.2: Minha cachorrinha Lulu da Pomerânia (Mel) fez questão de aparecer na foto.

Scarpins amarelos Santa Lolla

Saia “acervo” (haha, sempre quis dizer isso)

Camisa de renda MA.MÔ

Bolsa Speedy 25 Louis Vuitton

Relógio Mondaine (estou in love com ele, não é grifado, mas é lindo e me conquistou, porque nem tudo que é bonito tem que ser, necessariamente, de alguma marca renomada, pelo menos quem não é inseguro não pensa nisso ;) )

 

Anúncios

Look – Hy-Lo

30 de outubro de 2012

 

Mais um dia inspirada e com muita vontade de postar um look meio maluquinho que usei domingo para sair com o namorado e amigos, assistimos ao filme 007. Eles acharam que deixou a desejar, eu adoreeeeeei \o/

Resolvi mixar um top estilo rock da Vício que mostra partes do sutiã e as alças, com uma saia de babados romântica, um scarpin de onça da Studio TMLS bem perua e uma bolsa clássica a Speedy 25 da Louis Vuitton.

Esse look me retratou bastante, demonstra meu estilo favorito, o hi-lo, misturando grifes com roupas populares de marcas desconhecidas, mixando o romântico com o rock e o perua com um “Q” de clássico. Adoro fazer essas mixagens, é uma delícia, sem se preocupar em agradar os outros e montar algo perfeitinho, apenas colocar as peças que deseja e ver que, no final, tudo ficou ótimo e, melhor ainda, agrada quem deveria.

Look – Cabelo frisado

5 de dezembro de 2011

Sei que muita gente acaba de tirar algumas toneladas das costas, agora, aproveitem para curtir cada um(a) de vocês, se permitam aquele cuidado especial e aqueles pensamentos egoístas voltados apenas a agradar a si. Como uma ducha de banheira com muuuita espuma durante uns 30 minutos, muito creme hidratante sendo passado em cada parte do corpo como se estivesse fazendo carinho em si mesmo(a), uma massagem etc.

Pois bem, andei brincando com aquela ferramenta que ganhei, lembram? (aqui)

Optei pelo frisador porque estava muito empolgada e ansiosa para saber como é ter cabelos pixaim, com textura de lã e aquele volume inigualável. AMEI !!

Estão proibidos de reparar na minha cara, mas frisar os cabelos cansa.

Precisei passar spray porque eles já estavam alisando sozinhos, mas ficou gostoso

A felicidade da criatura

Depois de descansar… recebi vários e-mails pedindo para postar o vestido de seda com brocados da revista (que postei faz tempo) e aqui está ele, usado como blusa chiquetosa, sobre a calça, rs.

Aproveitei e testei um penteado para usar no Reveillon, acho que vai ser esse.

Dá para reparar a textura? O cabelo fica incrível, ele pára sozinho no lugar e fica todo fofo e cheio de ondinhas. Mulheres do cabelo pixaim, aproveitem porque dá para fazer muitos penteados.

Fiz um olho todo preto com pinceladas aleatórias de delineador em gel (o fluidline da MAC) para parecer mais agressivo, bochechas com blush rosa (quase nada) e usei só um gloss na boca (que na foto já tinha saído).

Aqui dá para ver melhor a parte debaixo do olho que também usei preto esfumado.

Uma das sandálias mais confortáveis que já usei (Corello)

No Facebook comentei que fui passear com o bofe no Shopping Iguatemi de SP e que tinha rendido alguns presentinhos, inclusive a Speedy 25 da Louis Vuitton encomendado por Audrey Hepburn (depois comento em post separado).

Beijos e ótima semana

Christian Louboutin

13 de outubro de 2011

Que atire a primeira pedra a mulher que não sonha em ter um par do famoso sapato de sola vermelha?

Christian Louboutin nasceu em 07 de janeiro de 1964 na França. É designer de calçados e lançou sua linha em 1991, a partir do ano seguinte, seus projetos incorporaram as famosas e tão desejáveis solas vermelhas, hoje, sua assinatura.

Christian também faz sandálias de plataformas, sapatilhas, mas são seus saltos altos, stilettos, que piram cabeças mundo afora.

Desde pequeno Louboutin gostava de sapatos. Suas primeiras coleções foram inspiradas em croquis que havia feito quando menor. Enquanto ainda não possuía loja, tentou vender suas criações em cabarés e boates, não logrando êxito, as mulheres alegavam não ter dinheiro para comprá-los.

Celebridades como as irmãs Mary Kate e Ashley Olsen, Nicole Richie, Dita Von Teese, Victoria Beckham são algumas das adeptas. Os modelos custam em média R$ 1.500,00. Suas criações foram alvo de exposições em Paris, com o auxílio do fotógrafo David Lynch.

As solas vermelhas são incansavelmente imitadas, copiadas, pirateadas . Não era para menos, poucas mortais podem pagar por eles, da mesma forma que ocorreu com a grande grife Louis Vuitton.

“Há uma diferença entre sofrimento e falta de conforto. De sapatos de saltos altos não se anda como de pantufas, mas dá um prazer tão grande…” (disse Christian Louboutin em uma das edições da revista Marie Claire)

Vale a pena visitar o divertido site que tem um par de scarpins correndo sem parar: www.christianlouboutin.com.

Louis Vuitton

27 de junho de 2011

Ao pensar em uma grife luxuosa de bolsas e sapatos, certamente você imaginarão a Louis Vuitton. Pode-se resumir em duas letras o conceito da marca mais famosa do alfabeto conhecido por viajantes há mais de um século, quais sejam, LV. Capaz de faze com que mulheres de todo o mundo fiquem em fila de espera para comprar bolsas em valor que ultrapassa facilmente os três dígitos ou, ainda, fazer com que cerca de duas mil japonesas passem a noite em claro, na calçada, aguardando a inauguração de uma de suas lojas. A LV é considerada mais que uma grife, uma lenda, posto que mixa qualidade e exclusividade ao criar objetos de desejo em número limitado onde muitas mulheres sonham em ter, porém, poucas conseguem alcançá-los.

História:

Tudo começou em 1851, quando para cada viagem do imperador francês Napoleão III, era trazido ao Palais des Tuilleries um jovem aprendiz de cofreiro para embalar a bagagem da imperatriz Eugénie. O rapaz chamava-se Louis Vuitton, um suíço criado em Paris e filho de um marceneiro. Nasceu em Anchay, em 04 de agosto de 1821 e morreu em Paris, em 27 de fevereiro de 1892. O material utilizado era madeira, zinco, cobre e lonas impermeáveis. Fabricou de malas e bolsas em Paris na segunda metade do século XIX. No início do século XX, a empresa expandiu em termos de territoriail e econômico. Com a finalidade de impedir as cópias, os baús, objetos iniciais da marca, se tornaram o primeiro produto manufaturado a levar uma assinatura do lado de fora “marque L.Vuitton”. A primeira utilização dos tradicionais monogramas das letras LV, granulados e nas cores ocre e café, que hoje é marca registrada, foi em 1896, quando Georges Vuitton, filho de Louis que morreu alguns anos antes, tentava diferenciar seus produtos das inúmeras imitações que eram produzidas. Rapidamente, os baús e malas com o monograma da marca caracterizavam as pessoas ricas e de bom gosto nas viagens de trens e navios e, após, nas primeiras classes dos aviões.

O The Louis Vuitton Building foi inaugurado em 1914 em Paris, no luxuoso endereço da Champs-Elysées, como a maior loja de produtos para viagem do mundo. Com a Segunda Guerra Mundial, a família Vuitton se divide. Parte se alia aos Nazistas para garantir que a empresa continue funcionando. Em 1977, Henry Recamier, genro da matriarca Renée Vuitton, assume o comando da empresa e inicia a verticalização dos negócios. A empresa, então com apenas duas lojas, alcança vendas de US$ 12 milhões e lucro de US$ 1.2 milhões. Até meados dos anos 80, a LV parecia fadada a vender bolsas clássicas para um público pequeno, porém, fiel. Em 1987, o magnata francês Bernard Arnault comprou a grife da família Vuitton e, com ela, ergueu os pilares do LVMH (Louis Vuitton Moët Henessy), maior conglomerado de marcas de luxo do planeta. Em um mundo globalizado, enxergou o potencial que um nome com a tradição da Louis Vuitton teria entre um público ansioso por consumir luxo de qualidade. Cultuada por esta qualidade, a marca começou a se preocupar em lançar tendências em 1996, quando convocou sete estilistas renomados – Helmut Lang, Azzedine Alaïa, Vivienne Westwood, Isaac Mizrahi, Romeo Gigli, Manolo Blahnik e Sybilla para reinventar seus acessórios, em uma homenagem aos 100 anos do famosos anagrama. Porém, a injeção de dinheiro não foi suficiente.
Em 1997, Arnault contratou o estilista americano Marc Jacobs para renovar a LV e criar sua primeira coleção de roupas. Reconhecido nos Estados Unidos por sua modernidade, ele desembarcou em Paris como um quase desconhecido, mas mostrou a que veio logo na primeira temporada. Transformou as bolsas LV em coqueluche. Disposto a inovar, a célebre combinação do logotipo marrom e amarelo sobre o fundo de couro marrom, dando um ar contemporâneo com símbolos da cultura pop e cores novas, o americano vem convidando artistas para experiências mais ousadas. Em 2001, Stephen Sprouse emplacou as bolsas grafitadas. Depois vieram o trabalho em patchwork da artista inglesa Julie Verhoeven, as cores fluorescentes do diretor teatral Bob Wilson e os mangás do desenhista Takashi Murakami. Em outra prova de ousadia, convidou a atriz Jennifer Lopez para ser garota-propaganda da grife, logo ela, que, com seus decotes exagerados e combinações esdrúxulas, já foi eleita uma das mais mal-vestidas mulheres de Hollywood. Para o estilista, ela representa uma mulher influente, poderosa e glamurosa, do jeito que a cliente Louis Vuitton se sente com as criações da marca. Os méritos de Marc Jacobs são reconhecidos por todos. Sob seu comando, a marca cresceu 80%. Há mais de 150 anos que a LV conserva intacto o seu poder de atração, quer sobre as cabeças coroadas quer sobre as estrelas de Hollywood, de Cary Grant a Marlene Dietrich, de Sharon Stone a Jennifer Lopez.

Hoje, é uma famosa marca de artigos de luxo internacionalmente reconhecida, sendo uma das principais divisões do grupo LVMH com sede em Paris, França. É uma das mais antigas casas de moda do mundo, tendo início em 1854. Como resultado, tornou-se uma das maiores inspirações de falsificação contemporânea.

 

Campanhas publicitárias:

A grife tem costume de empregar supermodelos e celebridades para anunciar seus produtos. Em 02 de agosto de 2007, a empresa anunciou que a ex-URSS líder Mikhail Gorbachev pareceria em uma campanha publicitária junta a Steffi Graf, Andre Agassi e Catherine Deneuve. Geralmente, utiliza-se de anúncias impressos e cartazes nas cidades cosmopolitas. O diretor do departamento de comunicação, Antoine Arnault, recentemente adentrou no mundo televisivo e cinematográfico, p.ex., o comercial de 90 segundos traduzido em 13 línguas, o qual estuda o tema Onde você vai ter vida? que foi o primeiro anúncio comercial da LV.

 

Contrafacção:

Como dito anteriormente, a marca é altamente falsificada, suportando que apenas pouco mais de 1% dos produtos que ostentam o emblema LV são autênticos. Curiosa e ironicamente, a assinatura monograma Canvas foi criada com o intuito de impedir a falsificação. Dos acessórios apreendidos de contrafacções na União Européia, em 2004, as falsificações da grife somaram 18%.

 

Lojas:

Todas as 414 lojas da Louis Vuitton espalhadas pelo mundo, possui exatamente a mesma disposição na vitrine principal. Todos os meses, exatamente no mesmo dia, as vitrines sao alteradas conforme o manual global de montagem de vitrines da marca. Apostando toda sua ênfase no aspecto visual da grife LV, tudo é absurdamente controlado, da maçaneta da sportas à textura das paredes, o chão de mármore italiano e às embalagens. Os balcões internos das lojas são feitos em bronze com tampos de cristal clear (também utilizados nas maiores joalherias do mundo). O controle de iluminação é minuciosamente projetado. Conta com a ajuda de uma equipe de 30 arquitetos. 50 de suas lojas são consideradas global stores, que são aquelas lojas que oferecem a linha completa da marca, composta por mais de 1.200 produtos.

A principal loja da marca é a Louis Vuitton Champs-Elysées, em Paris, instalada em um prédio da década de 30, já considerado como patrimônio histórico da França.

 

Linha do tempo:

1872 – Estampas com listras verticais nas cores marrom e vermelho.
1888 – Tradicionais estampas quadriculadas em marrom e bege.
1924 – Keepall Bag, a tradicional mala de mão, o item mais vendido da marca, e a primeira com tecido impermeável flexível.
1932 – Bolsa Noé, um dos maiores sucessos da marca, que foi desenvolvida com a finalidade de carregar garrafas de champanhe.
1993 – Taïga, linha masculina de malas e pastas em couro para homens.
1997 – Linha de canetas, desenvolvida por Anouska Hempel.
1998 – Coleção de roupas, sapatos, além de bolsas e carteiras envernizadas, assinada pelo estilista Marc Jacobs.
2001 – Linha de jóias. Introdução de estampas Graffiti.
2002 – Linha de relógios.

Produção:

Os testes para avaliar a resistência dos produtos são feitos em máquinas de raio ultravioleta, bem como por equipamentos que abrem e fecham o zíper das bolsas 5.000 (cinco mil) vezes. Cada bolsa é feita por um grupo de seis a doze funcionários. Além de tornar mais ágil a produção e ajudar a reduzir os defeitos, o novo modelo permitiu que a LV lançasse mais produtos a cada ano (em 2008, por exemplo, foram 71 modelos de bolsas). O tempo para a chegada de produtos às lojas também foi reduzido à metade. Importante foi a construção de um novo centro logístico. Localizado na cidade de Cergy, a 30 quilômetros de Paris, dali saem os produtos que serão enviados a seis centros regionais de distribuição espalhados pelo mundo.

A marca não perde seu caráter de exclusividade. Possui um departamento de customização que recebe pedidos chamado de Special Order, no qual os clientes realizam seus desejos mais extravagantes, por preços também para lá de extravagantes. De lá saem produtos feitos sob medida, que não fazem parte das coleções da marca, como por exemplo, um estojo com quatro hashis (tradicionais talheres orientais), encomendado por uma grande empresa, que presenteou seus clientes vips com o mimo que conta com o tradicional monograma LV gravado na madeira; casas de cachorro e até mesmo roletas de jogo. A fábrica dirigida pelo presidente da empresa e bisneto do fundador da grife, Patrick-Louis Vuitton, fica na antiga casa da família em Asnières, um vilarejo às margens do Sena.

Curiosidades:

– Cada produto possui um número de série e pode levar até 60 horas para ser feito.

– Existe uma lenda acerca dos baús de viagem da LOUIS VUITTON: muitos que estavam a bordo do Titanic foram encontrados intactos, preservando inclusive seu conteúdo.

– A empresa comercializa seus produtos, exclusivamente, por meio de suas próprias lojas pelo mundo. Permitindo-lhe controlar a qualidade dos produtos e a fixação de preços, bem como impedir a entrada de produtos falsificados em seu canal de distribuição.

– A grife sequer possui venda em lojas Duty Free.

– Acrescentou um único varejista on-line para vender alguns de seus produtos.

– A pedido da empresa, duas batidas policiais são feitas por semana no mundo, para tentar conter a falsificação de seus produtos.

(Assim fica fácil saber se o produto é original né? Pergunte àquela sua amiga onde ela comprou aquela maravilhosa bolsa. Ouça a resposta e, caso preciso, dê um simpático sorriso em vez de contrangê-la ao dizer que ela foi enganada ou que ela não te engana)